Páginas

28 de fev de 2018

Reunião de # 88: Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2018

Nossa reunião foi muito interessante dividimos em duas partes: Primeiro `a apresentação foi conduzida por Sibia Keila com varias informações importantes sobre finanças e como ter uma aposentadoria e um futuro seguro, muitas dessas informação a nossa comunidade brasileira desconhece. Eu gostaria de fazer um agradecimento publico em nome de nosso grupo `a Sibia por dedicar seu tempo em ajudar e orientar pessoalmente em nosso grupo.

Biografia: Sibia Keila Nascimento é natural de Vila Velha ES. Casada, mãe de 2 filhos Abner e Ana uma menina linda com síndrome de Down. Possui formação em Teologia pela Boston Theological School Seminar, Master in Clinical Psychology e Doutorado em Philosophy in Clinical Couseling pela Florida Christian University. Líder Coachinhg pelo Abreu Coaching Internacional Instituto. Sibia tem como foco o atendimento `a comunidade brasileira, ajudando `a estabelecer planejamento e conhecimento, as pessoas trabalham muito e estão adoecendo emocionalmente e fisicamente. Atualmente trabalha como Life e Financial coach , atendendo pessoas com desejo de ter uma vida saudável, aprender a se organizar e viver uma vida abundante em todos os aspectos.
Dicas importantes de Sibia: A importância de planejar o futuro financeiro de sua criança.
O que não fazer:
  1. Aplicar para receber ajuda do SSI se tem casa própria em qualquer lugar do mundo ou mais de um carro na família ( pois se for auditada a família terá que devolver o dinheiro).
  2. Fazer uma poupança ou investimentos em nome da criança.
  3. Não colocar bens em nome dessa criança.
O que deve fazer:
  1. Criar uma declaração de visão do futuro para sua criança (carta de intenção) que deverá ser entregue para o guardião.
  2. Um testamento informando quem irá cuidar da criança.
  3. Buscar um advogado para redigir esse documento.
  4. Abrir em seu nome (pais) uma conta que no testamento será citada sua criança como beneficiaria.
  5. Marcar uma consulta com especialista financeiro para conversar sobre o assunto (esse serviço é gratuito) pois o erro nesses passos custara a retirada dos benefícios de sua criança.
  6. Marcar uma consulta com um advogado especialista para fazer o testamento ou carta de intenção pois eles sabem dizer as considerações jurídicas de cada estado.
A segunda parte de nossa reunião foi emocionante demos inicio `a nossa dinâmica “As diferenças nós faz fortes”. Esse encontro foi todo preparado para ensinar os participantes a fazer uma analise de si mesmo, entender e respeitar as diferenças. Nós muitas vezes lutamos em todos os ambientes da sociedade para a conscientização e respeito para com os indivíduos com autismo. Então, nós temos que ser modelo para as pessoas que nos observam. A minha preocupação é ensinar ver a vida por uma outra ótica, onde se ouve mais e julga menos. Enquanto paramos para ouvir o outro aprendemos muito com essas experiências. Aos poucos começamos a experimentar uma grande mudança interior, que nos ajuda a continuar a lutar para que as pessoas aceitem e respeitem as diferenças de nossos filhos, nosso exemplo para a sociedade é significativo na mudança de atitude das pessoas que vivem ao nosso redor …
Também fizemos uma analogia aos “rótulos” mostramos alguns rótulos e pedimos para os participantes para adivinhar.  Muitos erraram e alguns acertaram. Isso foi apenas uma simbologia para mostrar que o rótulos são apenas imagens criadas especialmente para identificar um produto. Mas isso não pode jamais ser usado para pessoas. A gente trás na memoria os “rótulos/apelidos” que foram dados em nossa infância e isso pode ocasionar inseguranças, ansiedades ou traumas para o resto da vida.
É muito difícil se encaixar em uma sociedade que possuem padrões tão restritos onde muitos buscam a imagem perfeita, vivem de aparências ou são superficiais. Fazem tudo para alcançar a popularidade e a atenção nas redes sociais. Como ser autênticos ou deixar nossos filhos serem impactados nesse mundo de aparências cheio de críticas, onde eles são autênticos até demais ao ponto de ser confundido com falta de educação/elegância. Não é apropriado dizer certas coisa, então como eles vão saber em que momento mentir.

Em todos os aspectos você pode ser criticado: Se é magro, gordo, careca, cabelo comprido ou curto, se sua voz é alta, baixa, se você estudou pode ser considerada esnobe, se não estudou é ignorante… e por ai vai‼! Os julgamentos geralmente são cruéis, injustos e nada tem haver com o que a pessoa realmente é. Para conhecer alguém é necessário olhar sem pressa, passar tempo junto e conhecer. “Eu também sou julgada‼ Já ouvi falar… Se faço serviço voluntário é porque gosto de  aparecer‼ Se eu falo que vou ajudar tem que ser imediatamente! Algumas pessoas não se colocam em meu lugar, não respeitam se eu tenho dois filhos especiais, marido, casa para cuidar e muitos outros compromissos com os grupos, escola e inclusão na igreja.”

Em nosso grupo temos pessoas de todas as classes sociais, diferentes grau de escolaridade, pessoas vindas de diferentes cidades e estados do Brasil, culturas diferentes, personalidades distintas, algumas passivas outras ativas, introvertidas, extrovertidas, emotivas, guerreiras temos muito mais coisas que nos une do que nos separa. Aprender a ter harmonia e respeitar essas diferenças sempre será um desafio. Em nosso grupo somos muito unidas e sempre uma esta apoiando a outra. Para quem nunca participou de um grupo de apoio saiba que é muito importante o contato pessoal e a troca de experiência com outras mães. Certas informações a gente não acha na internet, em livros, ou na TV. O aprendizado acontece no momento exato em que você esta passando por aquela dificuldade.
Exemplo:
  • Como ajudar a criança com autismo a superar e progredir?
  • Porque  algumas crianças tampam o ouvido?
  • Porque algumas crianças com autismo babam?
  • Porque elas não gostam de cortar unhas?
  • Porque é um drama cortar/ ou lavar os cabelos?
  • Como fazer para levar no dentista e ter um higiene bucal adequado?
  • Como fazer tomar remédios?
  • Como lidar com as crises?
  • Porque fazem movimentos repetitivos e estereotipados?
  • Como parar com a autoagressão?
  • Como ajudar no desenvolvimento?
Todas essas duvidas as novas mães tem, e somente outra mãe que passou pela mesma situação pode ajudar, mostrar que tudo vai ficar bem e que você não esta sozinha…
Nesse grupo não é permitido julgar e tudo o que conversamos só pode ficar no ambiente da reunião para preservar a confidencialidade dos participantes…

Obrigada a presença:
Lilian Nakamura, Andreza Wesler, Jocasta Costa, Camila da Silva, Andressa Morais, Denise Leite Alves, Taiana dos Anjos, Mara Simões, Gabriella de Mello, Aurea Santos, Bruna Mocci, Ana Paula Oliveira, Kelly Barreto, Silvana Dias, Flavia Vaz de Souza, Sibia Keila Nascimento, Elaine Bastianeli, Gislaine da Silva, Gilmara Alves Afonso, Malzira Cardoso, Daniela Lomba, Nair Lage, Fernanda Gazzoni, Miriam Bacelar, Priscila Felisbino, Veronica Peroni, Angélica Teixeira, Rodolfo Vitor, Marcela Vitor, Suzy Silva, Angélica Bachour e Fernanda Rocha.

Reunião de suporte com participação especial de Sibia Keila

31 de jan de 2018

Reunião de #87: Sexta-feira, 26 de Janeiro de 2018

Nossa reunião foi muito produtiva, começamos com as orientações de Marcony Almeida sobre alguns serviços que a nossa comunidade brasileira desconhece. Serviços de proteção e ajuda social ao imigrante. Encontre no final dessa palestra as informações, imprima e coloque num lugar de fácil alcance para qualquer emergência. Eu gostaria de fazer um agradecimento publico em nome de nosso grupo ao Marcony Almeida por dedicar seu tempo em ajudar e orientar pessoalmente em nosso encontro.
Depois foi dado o inicio a nossa reunião que começou com uma interessante dinâmica antes da palestra. Esse encontro foi todo preparado para ensinar os participantes a analisar certos comportamentos e conseguir lidar com situações de crises e sentir na pele o que sua criança sente e porque ela fica fora de controle.

Em primeiro lugar distribuímos tape para todos os participantes e pedimos para por na boca, e a partir daquele momento as pessoas não poderiam mais se comunicar com palavras: Qual foi a intensão? Mostrar a importância da comunicação. As crianças com autismo possuem muita dificuldade em se expressar claramente e muitas delas são não-verbais. E parte de muitos comportamentos inadequados é razão por não ser compreendida. Os participantes foram testado ate o limite ao ponto de ter uma explosão. Em nenhum momento preparáramos os participantes para explicar o que iria acontecer depois. Exatamente como fazemos com nossas crianças, nunca temos o trabalho de preparar elas explicando o que vai acontecer. Essa atitude contribui de forma negativa aumentando a ansiedade e contribui com o aumentos de momentos de birras.

Em segundo lugar a terapeuta da fala fez um bingo onde não deixou os participantes entender ou ver com clareza as informações. Isso causou muita inquietação e desconforto, as pessoas começaram a ficar muito impacientes, e se não bastasse o todo incomodo, no momento em que alguém estivesse quase enchendo a cartela um dos organizados desse encontro puxou as cartelas desmarcando o jogo das pessoas. Algumas pessoas perderam a paciência.

Em terceiro lugar foi a etapa mais difícil de todo o treinamento, onde a terapeuta ocupacional começou a estimular todos os sentidos sensoriais e ninguém gostou. Houve gente nesse momento tirou o tape da boca e perguntou que horas vai acabar eu tenho que ir embora‼!

E com essa atitude alcançamos nosso objetivo. Tudo isso foi planejado para expor vocês a situações difíceis.  E como esperar um comportamento exemplar??? Vocês estavam com todo o processamento sensorial desorganizado. Sem poder se comunicar, cansados, com fome, sem entender nada, cheios de duvidas querendo aprender/ fazer perguntas e ficar com aquele tape estupido na boca‼!

Muitas vezes fazemos o mesmo com nossos filhos, ou eles passam diariamente na escola por situações semelhantes. É um amiguinho que pega algo deles, ou faz algo que eles não gostam. Eles tentar contar o que aconteceu mas muitas vezes são mal interpretados. Ou mesmo a gente quando obrigamos eles a fazer algo indesejado.

E se alguma pessoa que falou ou se expressou de maneira inadequada durante a reunião, e se você não gostou não leve em consideração, pois foi um dia atípico onde muitos foram testados ate o seu limite.

Tudo isso que aconteceu foi um alerta importante para fazermos um analise de si próprio (olhemos no espelho) e ver onde podemos melhorar, qual é nosso maior defeito onde temos que nos policiar e nossa maior qualidade que devemos deixar aflorar e usar em favor do próximo.

Pronto agora você já é capaz de entender sua criança por completo, então podemos entrar em nosso treinamento.



















































Obrigada ao apoio profissional:
Marcony Almeida, Michele Junqueira e Marcela Vitor

Obrigada a presença:
Andressa Morais, Camila Silva, Marcela Ferreira de Oliveira, Marcia Bernardina, Mara Simões, Mariana Formosa, Aline Gaspar, Cintia Vilas Boas, Graziele Guerini, Aline Gomes, Elaine Bastianeli, Claudia Moreira, Rosilene Rodriguez, Ana Paula Lopes, Bianca Silva, Rodolfo Vitor, Gislaine da Silva, Rubens Santos, Kelly Barreto, Silvana Dias, Ana Paula Oliveira, Renata Ramos, Nathalie Gazzoni, Fernanda Gazzoni, Denise Leite Alves, Taiana dos Anjos, Suzy Silva, Flavia Vaz de Souza, Angélica Bachour, Andreza Wesler, Malzira Cardoso, Selma Santos, Jazmin Ruiz, Angélica Teixeira, Marcia Matos, Priscila Felisbino e Fernanda Rocha